terça-feira, 20 de outubro de 2015

Quanto vale um missionário?


Hoje o dia está muito quente, o sol batendo inclemente na janela da minha sala, e as persianas tentam, inutilmente, aplacar a força dos raios que invadem o meu ambiente de trabalho.

Ainda assim, nada impede uma parada para refletir sobre o atual momento que estamos vivendo, e que desemboca em fronteiras longínquas onde estão aqueles que, no calor ou no frio extremo, cumprem a missão dada por Jesus.

Meus olhos agora se encontram marejados, a minha alma em luta... Eu confio nas promessas do nosso Grande Deus, mas me sinto pressionado e com o coração invadido pelas circunstâncias. O que pensar neste momento? O que fazer?

O que vale mais?  Um imóvel, um carro novo, o último smartphone, um tablete recém lançado, uma igreja pintada, reformada, uma construção, a melhoria de um salário? Enfim, quanto vale a vida de alguém que muitas vezes não estamos vendo?

Não é incomum eu estar, diariamente e intensamente, em várias partes do Brasil e do mundo. As tecnologias existentes aproximam as emoções e desabafos daqueles que estão nos recônditos da terra. As alegrias, as tristezas, as incertezas, os desafios. O que virá pela frente? A minha motivação aqui não é refletir sobre as questões teológicas desse tema, escrevo, reticentemente, sem observar as exegeses dos que me acompanham nessa jornada, muitos dos quais eu poderia nominar como “críticos de plantão”!

Recebi telefonemas no fixo, no celular, chamadas por Skype, por Whatssapp, e-mails, inbox por Messenger, visitas, e todos eram “gritos no silêncio” em sua essência. Senti-me fraco, cansado e impotente diante desses sussurros.

A reviravolta na economia brasileira chegou, neste momento em que estou escrevendo, a patamares insuportáveis. Essa força voraz trouxe um impacto nefasto: houve diminuição em torno de 50% na entrada do sustento dos missionários. De uma hora para outra, mesmo diante do desafio anual de levantar parceiros para a Causa Sublime de levar a mensagem mais importante que um homem pode receber, esses verdadeiros heróis não são vistos nos Bigbrothers de nossas TVs e, agora, deparam-se com a realidade de um corte orçamentário sem precedentes na nossa história. 

Sabemos, é claro, que muitos outros também estão sendo afetados. Rogo a Deus por Sua benevolência para com Seus. Minha preocupação são os omissos, os que olham somente para si, os religiosos que não alteram o seu modus vivendi, mas cortam as ofertas missionárias. Preocupo-me com os desperdícios que são engolidos pelos ralos das igrejas, pelas canetadas nos cortes que afetam diretamente centenas e até milhares de vidas, de famílias inteiras! Tudo isso em detrimento de altos investimentos em estruturas físicas e domésticas, que ficarão para trás por ocasião da volta do Filho do Homem.

Vou me manter no caminho, e quero desafiar você a reler e meditar nas palavras registradas em Isaías 52.7, "Quão formosos sobre os montes são os pés do que anuncia as boas-novas, que proclama a paz, que anuncia coisas boas, que proclama a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!”   

Orar faz parte do caminho, investir financeiramente também!

Quanto vale um missionário para você?

A favor dos povos ainda não alcançados pelo Evangelho, seu, também missionário,

Rev. Marcos Agripino
Executivo da APMT
Missionário na Base

Notícias de Outubro


Cidade do Cabo, 08 de Outubro de 2015


E não era conhecido de vista das igrejas da Judéia, que estavam em Cristo; Mas somente tinham ouvido dizer: Aquele que já nos perseguiu anuncia agora a fé que antes destruía. E glorificavam a Deus a respeito de mim. Gálatas 1:22-24

Exatamente 19 anos depois, tive o privilégio de revisitar lugares de experiências alegres a amargas em nosso primeiro ano de trabalho em Moçambique. Rever irmãos queridos e conhecer outros que, em meio a desafios e obstáculos, seguem firmes testemunhado do amor de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo entre os povos moçambicanos. Fotos: 1. Ponte sobre o Rio Chiraidze onde em Setembro de 1996 sofremos um grave acid ente. De volta àquele lugar pude agradecer a Deus mais uma vez por ainda estarmos todos vivos e pela família do colega e amigo (Labieno Palmeira) que nos socorreu; 2. Reencontro com o irmão Joaquim Guemusse.

Nesta viagem visitei projetos nas províncias de Tete e Zambézia, além de passar pelas províncias de Manica e Sofala. Fico contentente  em ver os feitos do Senhor no meio do Seu povo naquela nação; de perceber que as portas estão abertas para iniciativas construtivas; de termos sido convidados (APMT) a nos juntarmos ao trabalho que vem sendo desenvolvido pela família reformada, sobretudo em Vila Ulónguè (Tete) e Milange (Zambézia), onde tivemos vários encontros discutindo possível envolvimento da APMT em projetos missionários para a região. Fotos: 3. Adorando a Deus com irmãos da Igreja Reformada do Liazi, Distrito de Milange - Zambézia; 4. Reunião com lideranças do Instituto Superior Cristão Hefsiba na Vila Ulónguè – Tete.
Retornei à África do Sul sentindo muito cansando e com uma forte alergia cujos sintomas continuam me incomodando. Mas muito feliz de poder fazer parte daquela viagem com os irmãos Rev. Abel Modise, Marietjie van der Walt e Rev. Heinrich Zwemstra (de Igrejas Reformadas em Pretória). Agradeço suas orações que nos sustentaram nesses dias. Foram mais de 4.200 km de estradas, algumas em péssimas condições, e nem sequer um pneu descalibrou. Foto: 5. Nossa equipe de viagem. Da esquerda para a direita: Heinrich, Marietjie, Gessé e Abel Modise; 6. Trecho de cerca de 100 km entre Milange e Mocuba.
Somos imensamente gratos a Deus por sua participação neste trabalho. Frisamos sempre que esta não é uma missão individual, mas do corpo. Caminhamos juntos e sem a sua participação como parte deste corpo, não estaríamos aqui. Assim, gostaríamos de reafirmar que suas orações continuam sendo vitais para nós.

       Agradecimendo a Deus

  1. Pela excelente viagem a Moçambique e por mais oportunidades de trabalho que se apresentam para a APMT naquele país.
  2. Pelo visto para o trabalho do Philipe aqui na África do Sul que saiu, fez boa viagem de volta e já se encontra trabalhando.
  3. Pela nova família pastoral da Igreja Presbiteriana do Kenilworth, Rev. Seth e Pam Buttle.
  4. Pelo privilégio que tivemos de conviver por 1 ano com mais uma família missionária da APMT em fase de pré campo.
    Intercedendo

  1. Pelos preparativos para a saída da família Scherrer para o Oriente Médio (vistos).
  2. Pelos estudos do Leonardo, sua aplicação para bolsa de Mestrado em 2016 e pelo passaporte com o visto que foi roubado recentemente.
  3. Pela nossa saúde.
  4. Por meus estudos no Curso para Validação de Diploma e pelas pssagens para viagem que precisarei fazer ao Brasil no final de Março para a conclusão.
  5. Pela nossa situação quanto ao sustento mensal e pelas dívidas que já contraímos.
  6. Palo tratamento de saúde da Silvia e sua filha Laura Octaviano (no Brasil).
  7. Pela segurança e pelo sustento de nossos colegas missionários.
    Servindo ao Cordeiro,
    Rev. Gessé e Iolanda Rios
    ______________________________________________________________________
    Contribuições para o trabalho do Rev. Gessé e Iolanda Rios poderão ser feitas
    - Na conta pessoal:
    Gessé Almeida Rios – CPF : 253.072.585-34
    Banco do Brasil – Agência 8413-1; C/C: 14116-X
    Bradesco  - Agência 0250-0; C/C: 052042-0
    - Através da APMT usando o código de identificação 0,14 em centavos (ex.: R$ 100,14), nas seguintes contas:
    Banco do Brasil - Agência: 0635-1 (Cambuci) - C/C: 7500-0;
    Banco Bradesco - Agência: 119-8 (Cambuci) - C/C: 107965-4;
    Transferência online - CNJP: 04.138.895/0001-86; Boleto bancário – Neste caso ligar para 011 3341 8339 solicitando boletos bancários para efetuar o depósito.