quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O Novo Ateu

sábado, 18 de junho de 2011

Hoje, o ateu não é mais aquele que não crê, mas aquele que não encontra relevância para Deus na sua rotina. O novo ateísmo não precisa negar a fé; apenas cria substitutos para ela. Mantém o crente na igreja, mas longe do seu Salvador"
Sabemos que existem vários tipos de ateus. Existem aqueles que não crêem em Deus por não encontrarem respostas para os grandes dilemas da humanidade como violência, miséria e sofrimento. Não conseguem relacionar um Deus de amor com o sofrimento humano. Outros não crêem porque não encontram uma razão lógica e racional que explique os mistérios da fé, como a criação do mundo, o dilúvio, o nascimento virginal, a ressurreição, céu, inferno, etc. Diante de temas tão complexos que requerem fé num Deus pessoal, Criador e Redentor, muitos não conseguem crer naquilo que lhes parece racionalmente absurdo.


Os dois tipos de ateus já mencionados são inofensivos. Na verdade, são pessoas que buscam respostas, são honestos e não aceitam qualquer argumento barato como justificativa para suas grandes dúvidas. São sinceros e lutam contra uma incredulidade que os consome, uma falta de fé que nunca encontra resposta para os grandes mistérios da vida e de Deus.


No entanto, há um outro tipo de ateu, mais dissimulado, que cresce entre nós, que crê em Deus e não apresenta nenhuma dúvida quanto aos mistérios da fé, nem em relação aos grandes temas existenciais. Ele vai à igreja, canta, ora e chega até a contribuir. É religioso e gosta de conversar sobre os temas da religião. Contudo, a relevância de Cristo, sua morte e ressurreição para a vida e a devoção pessoal é praticamente nula. São ateus crédulos. O ateu moderno não é mais somente aquele que não crê, mas aquele para quem Deus não é relevante.


Este é um novo quadro que começa a ser pintado nas igrejas cristãs. Saem de cena os grandes heróis e mártires da fé do passado e entram os apáticos e acomodados cristãos modernos. Aqueles cristãos que entregaram suas vidas à causa do Evangelho, que deixaram-se consumir de paixão e zelo pela Igreja de Cristo, que viveram com integridade e honraram o chamado e a vocação que receberam do Senhor, que sofreram e morreram por causa de sua fé, convicções e amor a Cristo, fazem parte de uma lembrança remota que às vezes chega a nos inspirar.


Os cristãos modernos crêem como os outros creram, mas não se entregam como se entregaram. Partilham das mesmas convicções, recitam o mesmo credo, freqüentam as mesmas igrejas, cantam os mesmos hinos e lêem a mesma Bíblia, mas o efeito é tragicamente diferente. É raro hoje encontrar alguém em cujo coração arde o desejo de ver um amigo, parente, colega de trabalho ou escola convertendo-se a Cristo e sendo salvo da condenação eterna. Os desejos, quando muito, se limitam a visitar uma igreja, buscar uma "bênção", receber uma oração; mas a conversão a Cristo, o discipulado com todas as suas implicações, são coisa que não nos atraem mais.


Os anseios pela volta de Cristo, o desejo de nos encontrarmos com Ele e ver restaurada a justiça e a ordem da criação ficaram para trás. Somente alguns saudosos dos velhos tempos lembram-se ainda dos hinos que enchiam de esperança o coração dos que aguardavam a manifestação do Reino. A preocupação com a moral e a ética, com o bom testemunho, com a vida santa e reta não nos perturba mais - somos modernos, aprendemos a respeitar o espaço dos outros. O cuidado com os irmãos, o zelo para que andem nos caminhos do Senhor, as exortações, repreensões e correções não fazem parte do elenco de nossas preocupações. Afinal, cada um é grande e sabe o que faz.


Enfim, somos ateus modernos, o pior tipo de ateu que já apareceu. Citamos com convicção o Credo Apostólico, mas o que cremos não tem nenhuma relevância com a forma como vivemos. A pessoa de Cristo para muitos é apenas mais uma grife religiosa, não uma pessoa que nos chama para segui-lo. O ateísmo moderno se caracteriza pela irrelevância da fé, das convicções, do significado da igreja e da comunhão dos santos.


A irrelevância de Deus para a vida moderna é intensificada pela cultura tecnocrática. Temos técnicas para tudo: para ter um matrimônio perfeito, criar filhos felizes e obedientes, obter plena satisfação sexual no casamento, passos para uma oração eficaz, como conseguir a plenitude do Espírito Santo e muitos outros "como fazer" que entopem as prateleiras das livrarias e o cardápio dos congressos. A sociedade moderna vem criando os métodos e as técnicas que reduzem nossa necessidade de Deus, a dependência dEle e a relevância da comunhão com Ele. Chamamos uma boa música de adoração, um convívio agradável de comunhão, uma moral sadia de santificação, assiduidade nos programas da igreja de compromisso com o Reino de Deus.


As técnicas não apenas criam atalhos para os caminhos complexos da vida, como procuram inverter os pólos de atenção e dependência. Tornamo-nos mais dependentes de nós do que de Deus, acreditamos mais na eficiência do que na graça, buscamos mais a competência do que a unção, cremos mais na propaganda do que no poder do Evangelho. Tenho ouvido falar de igrejas que são orientadas por profissionais de planejamento estratégico. Estudam o perfil da comunidade, planejam seu desenvolvimento, arquitetam seu crescimento e, de repente, descobrem que funcionam, crescem, são eficientes, e não dependem de Deus para nada do que foi planejado. Com ou sem oração a igreja vai crescer, vai funcionar. Deus tornou-se irrelevante. Tornamo-nos ateus crentes.


A minha preocupação não é simplesmente criticar o mundo religioso abstrato, superficial e impessoal que criamos ou criticar a tecnologia moderna que, sem dúvida, pode e tem nos ajudado. Minha preocupação é com o coração cada vez mais distante, mais abstrato, mais centralizado naquilo que não é Deus, mais dependente das propagandas e estímulos religiosos, mais interessado no consumo espiritual do que numa relação pessoal com Deus.


Como disse, o ateu hoje não é mais aquele que não crê, mas aquele que não encontra relevância para Deus na sua rotina, não precisa da comunhão dEle para a vida. A sutileza do novo ateísmo é que ele não precisa negar a fé, apenas cria substitutos para ela. Mantém o crente na igreja, mas longe do seu Salvador. Este ateu está muito mais presente entre nós do que imaginamos.


Fonte: Monergismo.com

Por Ricardo Barbosa de Souza

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Até a Eternidade!


Conheci Nininha quando dos preparativos para meu casamento com sua prima. Todos as vezes que nos econtramos (e não foram muitas) fui recebido com o mesmo sorriso calmo, como bem observa sei primo Ricardo, seguido das palavras: "Oi Gessé, como vai?" Seu sorriso, sua maneira serena, assim como as palavras num tom suave jamais se apagarão de minha lembraça. Embora sendo "estrangeiro" ela nunca me recebeu como tal.

Minha querida esposa sempre me contou histórias de seus familiares, a maioria delas histórias de celebração da vida em família, especialmente as brincadeiras de criança com seus primos. E Nininha sempre aperece nessas histórias. Como a história da primeira boneca que minha esposa pode tocar, brincar e alimentar seu instinto maternal
pela primeira. Segundo ela, Nininha jamais se recusou a compartilhar seus brinquedos, e nem mesmo demonstrava ciúmes em repartí-los. Isso mostra o espírito generoso, dom de Deus, que marcou a vida da Nininha.

Viveu pouco tempo, mas o suficiente para impactar vidas e fazer a diferença em sua geração. Preferiu a linguegem do amor à da violência. Mostrou pelo seu exemplo que não é pela desonestidade, pelo ganho fácil, por força do braço, nem pela violência que se vive, mas pelo poder que há no Espírito de Deus.

Ficam conosco, além da saudade, as lições de vida e a carteza de que a separação é apenas por curto espaço de tempo. A todos os familiares, nossos sentimentos e as orações para que o consolo do Pai os ajude a lidar com os momentos de saudade e dor.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Motivos de oração para Agosto


No dia 12/08/2011 nossa amada IPB está completando 152 anos de história ajudando a construir um Brasil e um mundo melhor através de vidas transformadas pela Palavra de Deus. Parabéns a todos os presbiterianos do Brasil!

Cape Town, 11 de Agosto de 2011

O tempo passa depressa! Mais rápido que imaginamos. Minhas lembranças de infância parecem tão recentes. As visitas aos avôs; brincadeiras com irmãos e primos; as histórias lidas pelos tios; a vida no campo observando as atividades diárias do meu pai, que começavam cedo na lida com o gado no curral; minha mãe (grande heroína) fazendo de tudo um pouco a que nunca faltasse nada a ninguém; o tempo de escola; enfim, muitas lembranças! Parece ontem! Mas não foi, afinal, dia 18 de setembro completo meio século de vida. Sou grato a Deus por todos esses anos, pois sei que foi Sua maravilhosa graça que me trouxe até aqui. Além dos 50 anos de vida, este ano completei 22 anos de ordenação ao ministério e Iolanda e eu fizemos 24 anos de casados. Nossa gratidão a Deus pelos seus maravilhosos feitos.

Quem nos acompanha há mais tempo ou mais de perto sabe que Iolanda vem fazendo tratamento para uma depressão que se desencadeou nos anos de trabalho em Moçambique há mais de 12 anos. Graças a Deus, uma combinação de medicação e psicoterapia mantém estável sua condição clínica. Ao longo dos anos, porém, a insônia vem se agravando o que levou a especialista que a acompanha a iniciar um processo de alteração na medicação. Foi o suficiente para desencadear uma série de efeitos colaterais que tem causado mudanças em nossa rotina. Faz dois meses e meio que estamos nesse processo e a previsão é que enfrentaremos essa condição por mais algum tempo até que tudo se normalize. Além do enorme desconforto que isso tem causado em Iolanda, inclusive com sucessivas crises de pânico, nossa despesa com visitas a especialista e medicamentos tem sido muito além do nosso orçamento.

Philipe continua sua temporada na China. Recentemente teve a oportunidade de ajudar como voluntário num acampamento para crianças. Voltou do acampamento para a cidade onde mora radiante de alegria pela rica experiência. Reclamou apenas do cansaço pela longa viagem de 32 horas ida e volta, sendo 22 horas de trem e 10 horas de carro. Continuará por lá até outubro, quando retorna à África do Sul para aplicar em uma universidade para o seu primeiro ano de estudos. Leonardo está na reta final dos exames que o qualifica para universidade. Até final de novembro será de total dedicação. Guilherme se sente melhor e mais descansado depois de 10 dias de férias no trabalho.

Pedro Vicente retornara com sua esposa e filho ao país de origem e estávamos preocupados sem notícias. Finalmente conseguimos ter contato novamente. Estão bem, depois de todos terem sofrido um pouco com malária em Angola. Neste momento estão de volta a Cape Town para tratar de documentação, pois recebeu uma proposta de bolsa de estudos na França. Caso tudo se confirme, irá com a família ainda esse ano. O plano inicial de começar um trabalho com seus conterrâneos portadores de alguma deficiência física será adiado por enquanto.

Os trabalhos no C-Step seguem dentro do planejado. Pela graça de Deus continuamos dando acompanhamento às crianças refugiadas no processo educacional assim como seus familiares. Algumas igrejas presbiterianas no Brasil e a Igreja Presbiteriana do Kenilworth têm sido instrumentos nas mãos de Deus para que isso aconteça. Gostaríamos de contar com suas orações por Filemon e sua família. O temos acompanhado desde que chegamos à África do Sul. Deixou seu país há mais de 10 anos fugindo da guerra étnica entre Hutus e Tutsis. Aqui enfrentou inúmeras dificuldades e, embora academicamente bem qualificado, só após de sete anos no país conseguiu um emprego. Hoje é casado com a ruandesa Claudine, com quem tem dois filhos Caleb (2 anos) e Zacharias (4 meses). Há duas semanas Zacharias teve de ser internado com uma infecção. Os médicos descobriram um abscesso no fígado. Passou por uma cirurgia de duas horas e está se recuperando. Os pais estão exaustos com a situação e sua criança sob intenso sofrimento. Alvere, refugiada do Burundi que acompanhamos desde 2004, recentemente teve seu terceiro filho, um menino chamado Matthew.

Nossos colegas em fase de aquisição da língua inglesa estão progredindo bem. SALA, curso de inglês com o qual temos parceria, conta hoje com vários estudantes brasileiros fruto da parceria firmada com APMT.

No Projeto Base APMT Sul da África, estamos prestes a concluir nosso planejamento para a primeira fase que irá até final de 2013. Continuamos orando pelos recursos financeiros para nossa viagem a Moçambique ainda esse ano. Além de viagens a Angola e Maláui previstas para o próximo ano, este ano pretendemos realizar ainda um retiro para os missionários em Cape Town, ocasião em que serão abordados temas ligados á saúde emocional. Em setembro de 2012 planejamos realizar nosso primeiro encontro de missionário da APMT para a região sul do continente. No momento são apenas planos submissos à direção do Senhor. Portanto, seu envolvimento em oração será bem-vindo.

E por falar em oração, a cada dia estamos mais conscientes de sua importância no contexto da missão. Não somente no sentido de que toda e qualquer transformação verdadeira (leia-se “novo nascimento”) só acontece como resultado da operação do Espírito Santo gerando nova vida, como também no sentido de que como missionários dependemos de Sua ação em todas as áreas de nossa vida. Isto é, nossa saúde física e emocional, crescimento espiritual, relacionamento familiar, desempenho dos filhos, livramento e proteção, e assim por diante. Há algumas semanas Silvia e eu finalizávamos o expediente do dia no escritório do projeto, que fica nas instalações da Igreja Presbiteriana do Kenilworth, quando fomos surpreendidos por quatro bandidos dentro do prédio, estando o portão de entrada e as portas fechadas, como sempre fazemos por questão de segurança. Ouvimos um ruído diferente do normal e Silvia, curiosa que é (mulher, sabe como é) desceu ver o que estava acontecendo. Logo se deparou com os bandidos e me gritou para que chamasse a polícia. Imediatamente acionei o alarme do prédio. Eles simplesmente saíram andando, conversando entre si, como se nada tivesse acontecido. Saí atrás deles (já sei, não deveria ter feito isso) e liguei imediatamente pra meu amigo vigia no final da rua que os cercou e chamou a polícia. Dois deles foram presos os outros fugiram. Isso explica o quanto precisamos de suas orações. Sendo assim alistamos os seguintes motivos:

Louvor e Agradecimento:

1. Pelo desempenho dos nossos colegas no programa de aquisição da língua inglesa;

2. Pelo crescimento da Igreja Presbiteriana do Kenilworth;

3. Pelas oportunidades do Philipe servindo na China;

4. Pelo bom andamento dos trabalhos;

5. Pelo livramento do Senhor no caso da invasão dos bandidos.

Para interceder:

1. Por Filemon e sua família, especialmente pelo pequeno Zacharias;

2. Pelos estudos do Leonardo;

3. Por recursos para as viagens missionárias e execução de outros programas da Base;

4. Por livramento e proteção do Senhor;

5. Pela continuidade do tratamento da Iolanda recursos financeiros levá-lo adiante.

Juntos, servindo em Missões por causa de Cristo.
Rev. Gessé, Iolanda e filhos

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Ainda oranda por Iolanda


A resposta do seu organismo ao tratamente que vem fazendo tem sido lenta. Isso implica em sofrimento mais prolongado do que o esperado. A última semana foi bastante difícil. Portanto, suas orações pela presente situação em nossa família são mais que bem vidas. Em breve postaremos nossa carta com mais detalhes sobre a família e trabalho.