segunda-feira, 25 de abril de 2011

Lausanne: Compromisso Cidade do Cabo 2010

O Compromisso Cidade do Cabo é um documento mestre e abrangente, refletindo fielmente os trabalhos do Terceiro Congresso Lausanne sobre Evangelização Mundial, que teve lugar na Cidade do Cabo, África do Sul em outubro de 2010. É impossível captar o espírito de Lausanne III, em um resumo de três páginas, deve ser interpretada em conjunto com o todo do Compromisso Cidade do Cabo.

O Compromisso Cidade do Cabo está fundamentado na convicção de que "devemos responder à realidade da missão cristã da nossa geração." A missão da Igreja deve levar a sério tanto a natureza imutável da Palavra de Deus como as novas realidades do nosso mundo. O Compromisso Cidade do Cabo reflete a chamada de Lausanne para toda a Igreja para levar o evangelho integral ao mundo todo, é enquadrada na linguagem do amor - amor por todo o evangelho, a Igreja inteira, e todo o mundo. O compromisso tem duas partes: a confissão de fé e um apelo à ação.

PARTE I - Ao Senhor que amamos: A Confissão de Fé do Compromisso Lausanne Cidade do Cabo 2010

As frases iniciais estabelecem o quadro, "A missão de Deus flui do amor de Deus. A missão do povo de Deus flui do nosso amor por Deus e por todos aos quais Deus ama. "

Os cinco primeiros pontos lidam com o nosso próprio amor por Deus. Nós adoramos o Deus vivo, acima de todos os rivais e com paixão pela sua glória. Nós amamos a Deus trino: Pai, Filho e Espírito Santo. Com relação ao Pai, o Compromisso Cidade do Cabo convoca uma renovada apreciação de paternidade de Deus. Em relação ao Filho, ressalta nosso dever de confiar, obedecer e proclamar Cristo. Sabre o Espírito Santo: "Nosso compromisso na missão, portanto, é inútil e infrutífero, sem a presença, orientação e poder do Espírito Santo. ... Não há o verdadeiro ou completo evangelho, nem missão bíblica e fé autênticas, sem o trabalho de Pessoa, e o poder do Espírito Santo.

Os últimos cinco pontos cobrem nosso amor pela Palavra de Deus, pelo mundo, pelo evangelho, pelas pessoas, e pelas missões.

1. Reafirmamos nossa submissão à Bíblia como a revelação final de Deus, e afirmarmos nosso amor para com a Pessoa revelada nela, a história que ele conta, a verdade que ensina, e a vida que ele exige (embora admitindo que muitas vezes confessamos amar a Bíblia sem amar a vida que ela ensina, a vida sacrificial de discipulado prático).

2. Amamos o mundo de Deus, tudo o que ele fez e ama. Isso inclui cuidar da criação, amando todos os povos e valorizado a diversidade étnica, desejar ver o evangelho incorporado em todas as culturas, amar os pobres e sofredores do mundo, e amar ao nosso próximo como amamos a nós mesmos. Isso não significa amar ou ser como 'o mundo' (isto é, a mundanismo).

3. Amamos o evangelho - a história que ele nos conta, a certeza que ele nos dá, e a transformação que ele produz.

4. Amamos o povo de Deus, reconhecendo que tal amor nos chama à unidade, honestidade e solidariedade.

5. Amamos a missão de Deus. "Estamos comprometidos com a missão no mundo, porque é fundamental para a nossa compreensão de Deus, da Bíblia, da Igreja e da história humana assim como o seu futuro final. ... A Igreja existe para adorar e glorificar a Deus por toda a eternidade e para participar na missão transformadora de Deus na história. Nossa missão é inteiramente derivada da missão de Deus, objetivando de toda a criação de Deus, e fundamenta-se na centralidade da vitória redentora da cruz. "Somos chamados para a missão integral, que é a proclamação e demonstração do evangelho.

PARTE II - Ao mundo que servimos: O Compromisso Cidade do Cabo chama à ação

A chamada para a ação utiliza os seis temas do Congresso, que são ligadas às seis exposições de Efésios.

1. Testemunhar da verdade de Cristo em um mundo pluralista e globalizado. O Congresso afirmou a crença na verdade absoluta, e particularmente em Jesus Cristo como a Verdade. Os cristãos, portanto, são chamados a ser pessoas de verdade, para viver e proclamar a verdade. Temos de enfrentar a ameaça do pluralismo relativista pós-moderna com uma apologética robusto. Devemos promover a verdade no trabalho e nos meios de comunicação global. Devemos aproveitar as artes na missão, promover respostas autenticamente cristãs às tecnologias emergentes, e participar ativamente nas áreas de governos públicos, empresas e academia, com a verdade bíblica.

2. Construir a paz de Cristo em nosso mundo dividido e quebrado. Cristo reconciliou os crentes com Deus e uns aos outros, a unidade do povo de Deus é tanto um fato quanto um mandato. A Igreja, portanto, tem a responsabilidade de viver sua reconciliação e se engajar como promotora da paz bíblica, em nome de Cristo. Isso inclui apresentar a verdade e a paz de Cristo, como meios para se vencer o racismo e a diversidade étnica, a escravidão e o tráfico humano, pobreza e grupos minoritários, tais como pessoas com deficiência. Significa, também, que nosso chamado missionário inclui a mordomia responsável da criação de Deus e dos seus recursos naturais.

3. Vivendo o amor de Cristo entre as pessoas de outras religiões. Nossos "Vizinhos" inclui pessoas de outras religiões. Temos de aprender a vê-los como vizinhos e ser vizinhos para eles. Buscamos compartilhar as Boas Novas através de um evangelismo ético, e rejeitamos proselitismo indigno. Aceitamos que a nossa comissão inclui a disposição de sofrer e morrer por Cristo para alcançar as pessoas de outras religiões. Somos chamados a incorporar e recomendar o evangelho da graça em atos de amor, em todas as culturas. Temos de respeitar "diversidade no discipulado", e encorajar uns aos outros a exercer discernimento cultural. Reconhecemos a diáspora global como estratégia para a evangelização: os povos dispersos podem ser tanto os destinatários quanto os agentes da missão de Cristo. Apesar de estarmos dispostos a sacrificar os nossos próprios direitos por causa de Cristo, nós nos comprometemos a respeitar e defender os direitos humanos dos outros, incluindo o direito à liberdade religiosa.

4. Discernir a vontade de Cristo para a evangelização mundial. Seis áreas-chave são identificadas como de importância estratégica para a próxima década: (a) grupos de pessoas não alcançados e descomprometidos, (b) culturas orais, (c) liderança centrada em Cristo, (d) cidades (e) crianças, e todos com (f ) oração. O foco em líderes cristãos é priorizar discipulado e abordar os problemas resultantes de "gerações de um evangelismo reducionista”. Neste contexto, as principais prioridades são a tradução da Bíblia, a preparação de Bíblias de história oral e outras metodologias orais, bem como erradicar o analfabetismo bíblico na Igreja. As cidades são o lar de quatro grupos estratégicos: os futuros líderes, povos migrantes não alcançados, formadores de cultura, e da pobreza extrema. Todas as crianças estão em risco; as crianças representam tanto um campo como uma força missionária.

5. Chamando a Igreja de Cristo de volta à integridade, humildade e simplicidade. A integridade de nossa missão no mundo depende da nossa própria integridade. O Congresso chamou os seguidores de Cristo de volta ao discipulado, humilde sacrifício, à vida simples, e à integridade moral. Precisamos ser separados e distintos do mundo (moralmente). Quatro "Idolatrias" foram apontadas: a sexualidade desordenada, a fome de poder, a busca pelo sucesso, e a ganância. Os verdadeiros discípulos de Cristo devem rejeitá-las. (O evangelho da prosperidade é rejeitada sob a bandeira da "ganância".)

6. Parceria no corpo de Cristo para a unidade na missão. Paulo nos ensina que a unidade dos cristãos é uma criação de Deus, com base em nossa reconciliação com Deus e uns com os outros. Lamentamos a divisão das nossas igrejas e organizações, porque uma Igreja dividida não tem mensagem para um mundo dividido. A nossa incapacidade de viver em unidade reconciliada é um dos principais obstáculos à autenticidade e eficácia na missão. Nós nos comprometemos à parceria na missão global. Nenhum grupo étnico, nação ou continente pode reivindicar o privilégio de serem os únicos a completar a Grande Comissão. Dois aspectos específicos da unidade na missão são: a parceria de homens e mulheres e o reconhecimento da natureza missionária da educação teológica.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Worthy Is The Lamb


Amado Salvador, hoje sei que teu sofrimento não foi em vão. Foi para que o meu fosse anulado. A dor que sofrestes ao vestir aquela coroa de espinhos, ao ser injustamente condenado e chicoteado, ao carregar montanha acima aquela cruz, sinal de maldição... a humilhação a que foste injustamente submetido, foi para que fosse anulada a condenação ao sofrimento eterno que pesava sobre os meus ombros. O Senhor satisfez por completo toda a justiça requerida pelo Justo Juiz. Obrigado amado Senhor Jesus! Isto sim, é Páscoa! Não é o doce sabor dos chocolates, ovos pintados e coelhinhos espertos... Páscao é a docura do Teu amor capaz de perdoar um horendo pecador como eu, iIndígno de Tua presença. Obrigado por ser a minha Páscoa!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Para ler e Orar

"Voce não é apenas desobediente: há alguma coisa totalmente errada com seu coração se você não nutrir uma preocupação intensa com o orfão, a viúva e o imigrante" - Rev. Tim Keller

Cape Town, 18/04/2011

Desde nossa última carta muitas coisas aconteceram que fica até difícil de relatar cada uma delas, a começar pelas mudanças na família. Faremos um esforço para resumi-las. Guilherme concluiu seu curso em Tecnologia da Informação focalizando mais ambientes de rede. Dia 11/04 foi sua cerimônia de graduação. Reconhecemos que batalhou muito e seu árduo trabalho lhe rendeu os frutos que está colhendo.

Philipe conseguiu o visto para passar alguns meses desse ano estudando na China. Fez boa viagem e já está se adaptando aos diferentes costumes e à língua. Está trabalhando, dando aulas de inglês, e estudando Mandarim e arte chinesa numa Universidade daquele país.

Leonardo continua bem na nova escola. Recentemente aconteceu sua festa de celebração do último ano do ensino médio, uma tradição aqui, sempre antes dos exames finais. Receávamos que a mudança influenciasse negativamente, mas os resultados do primeiro termo letivo do ano foram excelentes.

Nós os pais, aumentamos bastante nosso ritmo para atender as muitas atividades, mas estamos felizes por isso. Alegres pelas conquistas dos nossos filhos, realizados no trabalho que o Senhor tem nos dado e, agora, empenhados no projeto da APMT de “alargar as tendas”. Ou seja, a criação da Base missionária para o Sul do Continente africano. Quanto ao projeto C-STEP, aos trabalhos apoio à Igreja Presbiteriana do Kenilworth e à parceria com SALA (inglês para missionários), nada muda. Apenas nossa valiosa colega missionária Silvia Octaviano ficará um pouco mais sobrecarregada com os trabalhos do C-STEP.

Quanto ao mais o trabalho tudo continua indo muito bem. Há um mês recebemos mais uma família missionária da APMT em preparação final para segurem para seu campo definitivo. Rev. Jorge e família já estão instalados, crianças freqüentando escola e todos se adaptando bem à nova realidade cultural e lingüística. Recentemente Alex e Concillie (casal do Burundi) foram abençoados com mais um bebê, uma garotinha a quem deram o nome de Hosana. Alex, que há cerca de 15 anos chegou a estudar para Padre, está cogitando cursar Teologia pelo BISA (Bible Institut of South Africa).

Para fazermos frente ao novo projeto de instalação e execução da BASE da APMT para o SUL da ÁFRICA, será necessário praticamente duplicar o valor do nosso sustento mensal. Temos viagens programadas para atender projetos missionários em andamento, em parceria com a APMT, em países visinhos como Angola e Moçambique. Ainda esse ano, pretendemos avaliar possíveis futuras parcerias em Maláui e Zimbábue. Viagens dentro do continente custam muito e nosso sustento nesse momento não nos permite darmos os próximos passos. Se ainda não está em parceria conosco nessa tarefa, mas deseja tornar-se, essa é a oportunidade.

Para orarmos:
1. Louvando a Deus pela grande conquista do Guilherme, pelas portas abertas para o Philipe e o cuidado de Deus sobre ele na China e pelas vitórias do Leonardo nos estudos.
2. Louvando a Deus pela bênção da chegada da Hosana e pelo novo posto no serviço do Alex.
3. Pedindo a Deus que nos dê, a nós e a Silvia, saúde e sabedoria na execução do nosso trabalho.
4. Intercedendo por recursos financeiros que nos possibilitem a execução da tarefa que nos está proposta.

Seus companheiros na missão.
Rev. Gessé, Iolanda e filhos

sexta-feira, 8 de abril de 2011

De volta ao lar

O tempo em Madrid com Rev. Carlos e Rosa Del Pino foi simplesmente maravilhoso e proveitoso em todos os sentidos. Graças a Deus tivemos ótima viagem de volta. Obrigado a todos que estiveram orando por nós nesse período.

domingo, 3 de abril de 2011

Reuniões em Madrid

Na Foto: Rosa e Iolanda após um de nossas reuniões
Iolanda e eu deixamos Cape Town dia 28/03 com destino a Madrid para nos reunirmos com o casal Rev. Carlos e Rosa Del Pino, lideres da Base Virtual da APMT para a Europa, visando discutirmos a proposta de implantação da Base Virtual da APMT em Cape Town para o Sul da África. Deus tem nos dado a bênção de compartilharmos um tempo precioso com esses queridos irmãos que muito têm a nos ensinar. Já estamos com saudades de casa... dos nosso filhos em Cape Town. Se Deus permitir retornaremos dia 06/04, imensamento gratos ao Senhor pela oportunidade que nos foi concedida na troca de experiências.