terça-feira, 30 de novembro de 2010

Carta de Dezembro

“Mas se você nunca é perseguido por causa de sua fé é porque você é covarde” (Tim Keller).

Cape Town, 01/12/2010

As palavras do Rev. Tim Keller, pastor da Redeemer Presbyterian Church em New York, são bastante radicais, porém, desafiadoras. Creio que servem para nos advertir sobre nossa postura como cristãos nessa sociedade pós-moderna globalizada. Precisamos mesmo ser radicais enquanto vivemos nesse mundo como cidadãos de um Reino maior e melhor, e que já está entre nós. Afinal foi para isso que nasceu Jesus, o Rei dos reis.

Nossa família vai bem, graças a Deus. Guilherme completou 21 anos de idade. Aqui é uma tradição oferecer-se grande festa nesta ocasião. Bom, não fizemos festa, mas nos alegramos com ele em oração por essa grande bênção. Recentemente foi convidado a continuar em 2011 na empresa que está fazendo o estágio. Ainda não respondeu, mas tudo indica que continuará. Está prestes a terminar o último ano do College e só então decidirá se fará mais um ano para o Bacharelado ou ficará apenas com o National Diploma em Tecnologia. Philipe continua na reta final dos últimos exames aplicados pelo Ministério da Educação os quais serão usados para o acesso à universidade. Já aplicou para o curso de Arquitetura na Universidade de Cape Town (UCT) e está aguardando resultado. Na entrega de premiações pelo desempenho no ultimo ano Philipe recebeu nove certificados de honra. Ficamos muito contentes e ele também. Deus abençoa o esforço e dedicação de seus filhos. A Ele toda a glória! Leonardo finalizou seus exames da Grade 11 e tem notas suficientes para passar de ano. Está contente de ter encontrado a escola (www.bhs.co.za) onde fará seu ultimo ano do ensino médio (Grade 12). Iolanda continua empolgada com suas aulas de pintura em tecido no C-Step. O número de alunas diminuiu consideravelmente e espera que haja novas procuras em 2011. Gessé está contente e animado com os novos desafios e possibilidades de ministério no trabalho para 2011. Foi convidado pela APMT para assumir uma das bases virtuais da nossa Agência para o continente africano. Isso implica em algumas mudanças na dinâmica do trabalho, mas o mesmo não sofrerá descontinuidade. Tudo será mantido. Oramos pelo convite buscando direção de Deus e estamos aceitando o desafio.

Nossa participação no III Lausanne Cape Town 2010 que ocorreu aqui em Cape Town entre os dias 16 a 25/10 foi uma grande benção de Deus para nós. Eis ai algumas fotos que tiramos no evento. Tivemos a oportunidade de servir como voluntários em diferentes áreas. Todos os nossos missionários trabalharam naquele evento. Servir e interagir com irmãos, líderes cristãos, de quase 200 países, mais de cinco mil pessoas (entre congressistas, voluntários e palestrantes) num ambiente de comunhão e alegria cristã foi algo extraordinário. Interagir com irmãos que desenvolvem ministérios igualmente entre pessoas na Diáspora foi particularmente enriquecedor para nós.

No C-Step estamos enfrentando dificuldades para manter alguns projetos por falta de recursos financeiros, especialmente o projeto de adoção da educação de crianças refugiadas. Ao longo do ano de 2010 assumimos integralmente as mensalidades escolares de quatro crianças de pais refugiados (do Burundi e Camarões). Isso foi possível graças a ofertas que recebemos de alguns irmãos aqui e no Brasil, destinadas à educação dessas crianças. Gostaríamos muito de poder continuar assistindo em 2011, mas os recursos acabaram. Precisamos que orem conosco sobre essa questão. Se você souber de alguém interessado em adotar o processo escolar de uma ou mais dessas crianças, passe os nossos contatos que enviaremos maiores detalhes, inclusive fotos deles.

Há alguns anos compartilhamos sobre um grupo de 26 crianças da diáspora angolana, as quais vínhamos assistindo e evangelizando por mais de um ano e que fora retirado do centro onde atendíamos por uma organização católica romana. Perdemos o contato com muitos delas. Algumas voltaram a nos procurar depois de deixarem a casa para onde haviam ido por atingirem a idade limite conforme as regras daquela instituição. Hoje temos até membros na Igreja Presbiteriana do Kenilworth que fizeram parte daquele grupo. Há algumas semanas recebemos uma ligação de uma daquelas meninas, já fora da casa há algum tempo. Ela nos procurou em busca de ajuda. Engravidou e hoje tem uma menina de três anos de idade. Veio à nossa igreja por duas vezes já e está interessada em reconstruir sua vida juntamente com sua filha Suzan. Foi bom revê-la e saber que os ensinamentos que recebera da nossa parte não foram em vão.

Na igreja (Kenilworth Community Presbyterian Church) há novos acontecimentos em vista. Depois de anos procurando convencer o conselho a adotar o sistema de classes de Escola Bíblica aos Domingos, finalmente estamos trabalhando com vistas a começar classes bíblicas a partir de fevereiro. Creio que a ida do Rev. Mike ao Brasil para a reunião do Supremo lhe ajudou a melhor entender o conceito e a ver sua aplicabilidade aqui também. Outra novidade é o estabelecimento do grupo jovem da igreja. Filipe Piragibe tem influenciado bastante nesse sentido. A primeira reunião do grupo será dia 15 de janeiro para planejamento.

Assim, estamos aproximando o final e 2010 e início de 2011 na certeza do cumprimento dos propósitos de Deus para nós e com renovada alegria para os novos desafios diante nós. Aproveitamos a oportunidade para lhe agradecer por ter caminhado conosco ao longo de 2010. Só Deus sabe dimensionar a importância de sua parceria em nosso ministério seja através tempo gasto em oração intercedendo por nós, seja nas cartas, e-mails, telefonemas, etc. e, sobretudo, no ato de contribuir mensalmente com suas finanças a fim de termos nossas necessidades supridas. MUITO OBRIGADO!

Não podemos terminar sem antes lhe desejar um FELIZ NATAL e um ANO NOVO repleto de PAZ e ALEGRIA no Senhor.

Razões para agradecer:
• Pelos nossos filhos e suas vitórias nos estudos;
• Pela maravilhosa experiência de trabalhar em prol do III Congresso Lausanne Cape Town 2010 e pelo bem sucedido evento que foi;
• Pelas pessoas alcançadas através do projeto ao longo dos anos e pela alegria que temos de encontrar pessoas testemunhando da importância desse ministério em suas vidas - tanto na vida dos que servem como na vida dos que são servidos;
• Pelos 21 anos de Guilherme.

Razões para Interceder:
• Pelos novos missionários e famílias que virão em 2011 para o programa do Inglês em Cape Town;
• Pela adaptação desses amados irmãos e seus filhos, assim como pelo processo de aquisição da
língua;
• Pelos trabalhos do C-Step, assim como sua situação financeira para fazer face aos programas em 2011. Os recursos se esgotaram;
• Pelos estudos dos nossos filhos no ano vindouro; Philipe depende da aprovação da UCT e de finanças suficientes para custeá-los;
• Pelos filhos da diáspora na Cidade do Cabo, crianças que continuam vulneráveis. Ore especialmente pelo crescimento físico e espiritual delas, para que nosso trabalho faça diferença em suas vidas;
• Pelos novos desafios para o ministério neste novo ano – Escola Bíblica na Igreja (KCPC) e trabalho na condução da Base Virtual da APMT para o sul do continente africano;
• Pelo nosso sustento que continua baixo.

Seus companheiros na missão.

Rev. Gessé, Iolanda e filhos

Contribuições para o ministério do Rev. Gessé e família podem ser feitas das seguintes maneiras, sempre usando o código 0,14 em centavos (exemplo: R$ 50,14):
Banco do Brasil - Agência: 0635-1 (Cambuci) - C/C: 7500-0
Banco Bradesco - Agência: 119-8 (Cambuci) - C/C: 107965-4
Transferência online - CNJP: 04.138.895/0001-86
Boleto bancário – Neste caso ligar para o (011 3341 8339) solicitando boletos bancários para efetuar o depósito.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Um grito de socorro - Parte II

Oi gente,

Aqui estou eu de novo... e dessa ve com uma dor maior...

Nunca me conformei muito com aquela coisa de que “não adianta falar que nada vai mudar”, mas a prova final disso veio este ano. Que maravilha!!! Pela primeira vez o povo cristão brasileiro ergueu a voz e mostrou que não está de bobo-alegre vendo a banda passar. Mostrou que nossos governantes não podem simplesmente nos ignorar e passar por cima de tudo o que cremos por nos considerar insignificantes demais. Não! Temos muito o que dizer, e o Brasil vai ouvir. Não podemos voltar a nos calar e intimidar.
É nesse espírito que quero compartilhar com vocês uma dor profunda, uma dor que já dura 20 anos!!! Uma dor quase solitária, desconhecida e que precisa ser gritada aos quato cantos desse país!

É a dor dos povos indígenas feitos cativos como animais em uma grande jaula, chamada floresta.

Devem se lembrar que quando visitei cada um de vocês, disse que havia sido criada em uma aldeia indígena, e até fiz alguns cumprimentos na língua deste povo. Pois então, o que não contei a vocês naquele dia, é que este povo está sendo mantido cativo há 20 anos! E este é apenas um dos tantos outros grupos que recebem o mesmo tratamento.

Em 1991, a FUNAI retirou a equipe de missionários da aldeia, com o argumento que este contato era prejudicial para o povo. E desde então eles tem sido mantidos isolados na selva, proibidos de manter contato com qualquer outro brasileiro que não seja cúmplice das pessoas que dominam aquela área.

Porém o tratamento que este povo tem recebido durante todo este tempo é muito semelhante ao que se faz com animais em um zoológico! Recebem comida, cuidados médicos e parecem saudáveis e felizes, enquanto recebem visitantes do mundo todo que tiram fotografias, fazem documentários, escrevem artigos, livros e teorias, exploram sua imagem e lucram às suas custas sem que eles nem saibam o que isso significa!!!

Este povo tem permanecido em cativeiro, sem direito à escolhas, sem o direito básico de ir e vir, e sem o direito de apreciar o própria cultura (como o fazem os estrangeiros ali) pois sequer sabem o quão são valorizados. Não têm o direito à educação em sua própria língua, muito menos em português, e assim continuam sendo tratados como semi-humanos, gente inferior que não pode gerir a própria vida.

Eu tinha apenas 11 de idade quando saí de lá... depois disso, já terminei o colégio, fiz faculdade, duas pós-graduações, conheci pessoas e lugares do mundo todo, e nunca deixei de ser brasileira, ou de ser mineira, só por que conheci o que me era diferente! Isso é possível porque me foi ensinado a valorizar o que sou.

Enquanto isso, meus amigos de brincadeiras no rio e na mata não sabem sequer escrever seu próprio nome!!! Não sabem sequer o quanto sua cultura é bela e o quanto eles podem se orgulhar disso. Não sabem que podem inclusive tirar lucro pessoal disso ao invés de sorrir inocentemente para câmeras que vão vender suas imagens em € (euro) sem que eles nunca vejam um centavo desse dinheiro!!!

Mas eles sabem que existe um mundo de recursos e opções que lhe são negados, e não estão felizes com isso. Quando a FUNAI retirou os missionários da aldeia, os índios choravam e diziam para os funcionárioa ali: "Nós não queremos que eles vão embora. Se vocês quiserem morar aqui também, podem ficar, mas não os tire daqui! Essa terra é nossa, e nós escolhemos quem mora aqui." Sabem qual foi a resposta do chefe da expedição? "A opinião de vocês não nos interessa".

A opinião dos donos da terra não os interessa!!! É assim que eles dizem respeitar as populações indígenas e defendê-las???!!! Ignorando suas escolhas, mantendo-as em cativeiro, e negando-lhes o direito à educação por mais de 20 anos???!!!

Choro enquanto escrevo esta carta, um choro que dói nas entranhas, mas quase não tem mais lágrimas, uma dor que nos consome por muitos anos... e meu desejo é que essa dor seja sua agora também! que você não consiga mais dormir ou orar sem lembrar de pessoas que vivem cativas dentro do nosso próprio país. Gente da gente, nosso povo!

Temos ouvido que, recentementr, estes índios tem tentado sair da área restrita e têem feito viagens exploratórias para outros territórios indígenas. Temos ouvido que ficaram indignados ao ver que existem tribos que mantiveram suas origens porém com a liberdade que eles nunca tiveram. E que quando retornam à aldeia sofrem retaliações por terem tentado sair.

Eles precisam ser libertos! Precisam ser tratados como adultos que são. Precisam ser tratados como cidadãos!!! E nós não podemos ficar calados diante de tanta injustiça. Não podemos ser coniventes com isso. Não podemos ser tímidos. Vamos gritar aos quatro cantos contra as injustiças que se espalham por nosso país!

Tanto se falou sobre o aborto nos últimos dias, mas nosso país está mergulhado em INIQUIDADE e se nos calarmos não somos dignos do evangelho que professamos!

Não fique calado diante do que você vê. O que tem ferido seus olhos e ouvidos onde você vive? Exploração sexual, desrespeito ao indígena, trabalho escravo, infanticídio de bebês nas aldeias, pornografia, acoolismo, delinquência e tantos outros!

Desejo ardentemente que seu coração esteja moído, seu peito sem ar, e seus olhos ardendo diante da iniquidade. Clame contra a iniquidade! Clame contra o povo! Clame ao Senhor!

Celinda Castro.

Um grito de socorro - Parte I

Depois de 20 anos o sol parece raiar novamente!

Gente, isso tudo o que estou escrevendo pra vocês nos últimos dois e-mails não é conto da carochinha nem anda encaminhado! É a história da minha vida (Celinda), da minha família e de um povo que deve ser seu povo também, brasileiros como nós, porém que não desfrutam do mesmos direitos que nós.

Agora, imagine se de repente alguém descobrisse que a cultura brasileira é única e maravilhosa, e que por isso deve ser preservada. Maravilhoso, não? Pois é... mas imagine ainda que para garantir a preservação de tão bela cultura, alguém tivesse a brilhante idéia de manter todos os brasileiros completamente isolados do resto do mundo para não serem contaminados por nenhum traço de outras culturas?! Genial, não? Olha só que perfeito:

A partir de hoje fica decretado:

1. Nenhum brasileiro pode mais sair do Brasil, e ninguém pode entrar no Brasil. Nem se pode ter notícia alguma do que há no restante do mundo.

2. Nenhum brasileiro pode falar outra língua que não seja o português. Nem pode mais aprender a ler e escrever porque escrita é coisa herdada de Árabe, Egípcio e Chinês.

3. Nenhum brasileiro pode adquirir e utilizar utensílios e tecnologia que não seja brasileira, e se por acaso você já tinha algum destes objetos, serão todos amassados e queimados em uma grande e festiva fogueira. Então dê adeus, aos seus computadores, Ipods, roupas de seda, tênis legais, carros e motos e tudo o mais...

4. Nenhum brasileiro pode mais comer comida que não seja brasileira. Então dê adeus às pizzas, macarrão, kibes, chocolate, strogonofs, hamburgueres, sushis etc...

5. Nenhum brasileiro tem condições de decidir sobre sua própria vida, todos são considerados menores e devem ser tutelados, mesmo que as decisões envolvam exclusivamente sua vida pessoal. Serão nomeadas pessoas apropriadas para decidir sobre sua vida, sua casa e sua terra.

6. Qualquer tentativa de criatividade, inovação e/ou desenvolvimento será sumariamente interditada, antes, pelo contrário todos devem retornar a usos e costumes ancestrais, mesmo que já estejam extintos há séculos. Então vamos começar a pesquisar costumes ancestrais para reimplantá-los.

Então... genial, né? Agora sim, todo brasileiro vai gostar de si mesmo, se valorizar e se sentir especial, não vai?... pfff.. vocês acham que estou de brincadeira??? Pois é exatamente isso o que fazem com dezenas de tribos indígenas no Brasil!!! Mas não pára por aí.

Todas essas regras de “preservação” são impostas a estes grupos, porém, eles continuam expostos a todos os tipos de tecnologia e inovação, sem desfrutá-las. Então enquanto a equipe ali residente, e outros índios da região passeiam em barco a motor, os índios isolados devem remar! Não importa o cansaço, o sol, ou as dores, é bonito remar!

E enquanto os visitantes se empanturram dos mais ricos manjares em frente aos indígenas, eles podem experimentar tais iguarias? Claro que não! Índio só pode comer macaco. Se ele comer qualquer outra coisa vai deixar de ser índio.

E enquanto todos da região pescam usando anzol, os índios tem que bater o timbó, um veneno que mata o rio inteiro para que eles peguem 10 ou 15 peixes. Mas os índios sabem ‘preservar a natureza’ (“ã-ham” matando um rio inteiro com um cipó venenoso), e afinal um anzol é tecnologia demais, vai estragar a cultura!

Vou parar por aqui... mas me digam... que raio de preservação é essa??? O que acontece quando alguém é tratado por tanto tempo como um animal irracional???

Algo aconteceu no último dia 18/10/10! Cerca de 138 índios Zo’é (mais de metade da população da aldeia) que são assim tratados há 20 anos, não aguentaram mais, cansados de serem abusados e humilhados diariamente pelo líder da equipe da FUNAI saíram em busca de respostas.

Conheceram aldeias inteiras onde todos tem acesso ao mais variados tipos de recursos e tecnologia, sem perder sua identidade indígena. Tribos que realmente são valorizadas pelo que são, e não são mercadejadas. Que possuem projetos sérios de educação, desenvolvimento e saúde.

Indignados eles abriram caminho em meio a mata e chegaram até a cidade de Oriximiná para pedir socorro. Uma TV local noticiou o ocorrido e só. Enviaram a Polícia Federal para devolver o grupo para a mata e o caso foi abafado. Polícia pra acuar os índios??? De novo? A polícia devia estar atrás daquele que está sendo denunciado! E não das vítimas!

Por que ninguém quer divulgar o grito de socorro desse povo???!!! Vamos gritar por eles. Aqui vai o link da reportagem ... http://www.youtube.com/watch?v=fG5l3vrLOMA assistam e espalhem antes que as imagens desapareçam, vamos dar voz a este povo que precisa ser GENUINAMENTE preservado.

Que alegria pensar que a liberdade desse povo é possível!



Celinda Castro.