quarta-feira, 28 de julho de 2010

Nossa carta em agosto

A COPA
A Copa do Mundo de Futebol passou e a frustração de ver África do Sul eliminado cedo e o Brasil nas quartas de final também, mas pelo menos pudemos nos alegrar com o brilhante futebol da Espanha que se tornou campeã pela primeira vez na história. A euforia que envolveu o país naqueles dias cedeu lugar à rotina de antes e a vida vai voltando ao seu normal.

Os eventos que pretendíamos promover com a projeção de um jogo por dia no salão social da igreja não tiverem o efeito desejado, mas creio que alcançou seu objetivo. Mostramos mais de 20 jogos, inclusive a final, nos quais quase sempre tivemos a presença de visitantes. Ocasião em que aproveitamos para distribuir folhetos e exibir um filme com testemunho de atletas cristãos. Estamos gratos a Deus pela oportunidade.

FAMÍLIA
No dia 11/07 Iolanda e eu comemoramos 23 anos de casados. Foi bom refletir no cuidado de Deus sobre nós e nossa família, nestes anos todos dedicados um ao outro, aos nossos filhos e ao chamado ministerial e missionário que ele nos deu, dos quais 15 anos dedicados integralmente ao trabalho missionário. Continuamos procurando zelar por todas estas dádivas divinas.

Guilherme gostou muito de seu trabalho voluntário para a FIFA. Conheceu muita gente ligada ao esporte, em especial gente da de imprensa. Assistiu ao vivo todos os jogos realizados em Cape Town, entre eles a eliminação da Argentina e a classificação da Espanha para a final, duas de suas alegrias. Há três semanas começou seu trabalho como estagiário numa grande empresa no mercado no ramo da engenharia da informação e está gostando muito. Já fez alguns amigos e pelo visto todos estão gostando dele. O melhor é que será assalariado pelo menos por seis meses, tempo de duração do contrato. Depois voltará à Universidade (CPUT) para finalizar os estudos.
Dia 11/06 aconteceu a tradicional festa de final do ensino médio do Philipe. Agora terá uma bateria de exames até o fim do ano. Ë um período bastante estressante onde o aluno é testado em todas as disciplinas que estudou nos últimos três anos. Leonardo está se preparando para observar profissionais, quando terá que escolher algumas profissões nas quais tenha algum nível de interesse para então passar algumas horas por semana ajudando os referidos profissionais. É uma forma de auto-exposição a certos ambientes de trabalho para ajudá-lo na escolha de uma futura profissão.

Agradecemos aos parceiros de ministério que entenderam a situação compartilhada em nossa ultima carta e estavam em condições de aumentar a contribuição financeira mensal neste momento de novas deliberações da APMT em função do Imposto de Renda. A situação ainda é bastante complicada, mas pelo menos ameniza um pouco. Entendemos perfeitamente a dificuldade para alguns parceiros fazerem qualquer ajuste no meio do ano. Agradecemos por se unirem a nós em oração nesse momento.

TRABALHO
Além da experiência que tivemos com o evangelismo através do esporte, mantivemos o contato e apoio pastoral aos refugiados com os quais trabalhamos. Suspendemos nossas reuniões em língua portuguesa dos sábados, mas nos mantivemos conectados, assistindo os jogos juntos. Simon e Liver Vatusidi estão bem, mas provavelmente terão que mudar para áreas mais distantes. Alvere e Jean Paul se separaram depois de muitas tentativas da nossa parte para ajudá-los. A situação de constantes abusos e constrangimentos, inclusive para as crianças, chegou ao dela entender que o melhor para ela e as crianças seria a separação. Alex e Concilie estão muito contentes com a gravidez dela, três meses depois de um aborto espontâneo. Sheila, sua filhinha de 7 anos, já não tem qualquer problema com a língua inglesa e tem se destacado nos estudos.

Daniel Alves continua firme nos estudos. No último domingo compartilhou na igreja que tomou a decisão de deixar o trabalho anterior que não lhe permitia estudar e confiar no Senhor para lhe prover de um trabalho. Fazem dois meses que conseguiu um emprego que lhe permite estudar e recebe um salário melhor. Pedro Vicente, o cego, também conseguiu um bom emprego como massagista num SPA. Agora recebe um salário razoável e já até alugou um pequeno apartamento no centro da cidade, perto do trabalho. Ele, Anthea e o filhinho Hugo Pedro, estão bem e louvam a Deus por todas estas conquistas num curto espaço de tempo. Em tudo o Pedro faz questão de apontar para o que Deus tem feito em sua vida.

Ndiro estuda o dia todo, portanto não trabalha. Agora está preocupado porque não terá onde morar no próximo ano, uma vez que finalizando o segundo grau terá que deixar a escola/projeto onde mora. Bastian está um pouco sumido em virtude dos estudos e trabalho, mas nos encontramos quando dá e de vez em quando vem aos cultos nos domingos. As quatro crianças refugiadas (três do Burundi e uma de Camarões), cujos pais são membros da igreja, continuam recebendo assistência educação da parte do C-Step.

No dia 04/07 tivemos o culto de despedida dos nossos irmãos missionários, revs. Gian e Vladimir e suas respectivas famílias, que finalizaram seu tempo em Cape Town. Foram bastante importantes em nossas vidas, projeto e igreja, e estamos certos que serão uma bênção aonde chegarem. Além desses colegas, também se despediram de nós a missionária Dra Verônica Farias (Igreja Presbiteriana de Casa Caiada em Olinda) e o estudante de medicina João Gabriel (membro da Igreja Presbiteriana Independente de Dourados). Nesse momento estamos curtindo a saudade.

Rev. Mike Muller, pastor da Igreja Presbiteriana do Kenilworth com a qual mantemos parceria missionária, voltou radiante de alegria por ter participado como observador internacional da XXXVII Reunião Ordinária do Supremo Concílio da IPB realizada entre 11 a 17/07 em Curitiba. Disse ter sido uma experiência marcante e que de agora em diante entende e valorizará ainda mais os missionários brasileiros estudando inglês e as dezenas de estrangeiros (refugiados) que vêm se tornando membros da Igreja Presbiteriana do Kenilworth. A experiência de não poder se comunicar e depender todo tempo de um intérprete, segundo ele foi algo muito difícil. Ficou maravilhado do carinho e cuidado dos colegas no Brasil. Também gostou da organização, seriedade e eficiência com que a Igreja irmã atua no Brasil. Trouxe algumas sugestões para um trabalho mais eficiente da parte da Igreja na África do Sul.

Motivos para Louvar e Gratidão:
• Pela vida e ministério dos nossos colegas que acabam de nos deixar seguindo para nova etapa em suas caminhadas missionárias.
• Pelo tempo diferenciado que foi o período de Capa do Mundo de Futebol e as diversas oportunidades para testemunhar do evangelho a povos de diferentes nacionalidades.
• Pelo ambiente pacífico e tranqüilo como transcorreu a Copa do Mundo de Futebol.
• Pela participação do Rev. Mike Muller na ultima reunião do Supremo Concílio em Curitiba.
• Pelo estágio do Guilherme e por estar gostando do novo ambiente.

Motivos para Interceder:
• Pela gravidez da Concilie, Suzan Cassambala e Claudine.
• Pelas atividades do C-Step neste segundo semestre.
• Pelos exames de Matric do Philipe.
• Pelo sustento financeiro da família.
• Pela chegada e adaptação dos novos alunos de inglês.

Seus companheiros na missão.


Rev. Gessé, Iolanda e filhos

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Caso Bruno

Um barbárie... Parece cenas de filme de terror. Não há explicação ou justificativa nenhuma para um ato dessa natureza. O que me impressionou foi o fato do delegado em Minas Gerais expor abertamente todos os detalhes do crime para a mídia. Não creio que ele esteja querendo ganhar notoriedade em cima de toda essa misária, mas creio que está havendo imprudência quanto ao que deve e ao que não deve ser publicado nesse momento em que toda a nação se sente chocada. Sará que ele não imagina que milhões de crianças estavam assistindo noticiários? Parece não haver nenhum senso de proteção das nossas crianças.

Falta ética na polícia, falta prudência na exposição de certos casos. O cidadão brasileiro indefeso, inocente (crianças) não é obrigado a ter que digerir detalhes dessa desgraça que em si já afeta a sociedade brasileira como um todo. Tenho filhos e isso nos faz sentir, como familia, como se fossemos parte da família da Eliza.

Portanto, imagino que certos detalhes do caso não poderiam e nem deveriam ser expostos. Trata-se de material privativo da justiça. São elemtos para formulação do caso. No entanto, parabenizo o trabalho da polícia especailmente pela agilidade nas investigações.

Outra questão, que está na hora dos cidadãos brazileiros, em especial os homens, repensar seu na família. O Bruno de certa forma é vitima de um padrão familiar muito comum no Brasil que tá na cara que não dá certo. Nossa sociedade está ficando cada vez mais doente por conta dessa falta de elaboração dos papéis na família. O que se espera de um homem num casamento? Será que os homens brasileiros ao entrarem num relacionamento estão pensando em construir algo? Será que levam consigo algum sonho? Ou se casam apenas para depois descubrirem que estão vivendo um pesadelo?

Somos uma das nações mais violantas do mundo. Qual a razão disso? Pobreza? Nunca! Somos a oitava maior economia mundial. A princial causa é a o vazio de valores que permeia a nossa sociedade. Ser machista é ser homem. É que pensa um número considerável do nosso povo. E é assim que nossos meninos crescem, com esse modelo na mente, porque são esses os seus referenciais, seus pais. Crescem machistas para perpetuarem esse modelo, portanto.

Não adianta lamentarmos o leite derramado. Não adianta passarmos o resto da vida alegando que fulano frequantou boa escola, teve boa educação, etc. O erro não está ai. O que define o que será a pessoa quando chegar à idade adulta é a convivência que ele tem (ou deixou de ter) com essa figura parterna. Para o menino, o pai é a figura central, cuja influência afetará decisivamente sua vida, de forma positiva ou de forma negativa.

Nosso país precisa passar por um processo radical de regeneração moral. E isso só é possível acontecer quando os valores éticos, hoje abandonados em nome das liberdades individuais plenas, forem resgatados. Continuo sonhando com um Brasil melhor.

Ontem quando o Presidente da CBF, Ricardo Terra Teixeira, convidou o mundo para assistir a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, no mesmo momento o Jornal Hoje da Rede Globo) já havia ocupado mais de 60% do seu espaço com o caso Bruso. No final de sua fala Ricardo Teixeira usou uma frase que me fez pensar ainda mais. Ele disse: "No final da Copa de 2014 esperamos que o mundo saia um pouco mais brasileiro". De que Brasil estaria ele falando? Do ideal, sonhado por todos nós? Ou do Brasil real, violento, macabro, cruél, mal educado, de injustiças e desigualdades gritantes? Estaria ele falando do brasileiro que pode até não ner tido educação formal, mas tem educação suficiente viver a vida de maneira honesta, lentamente construíndo o futuro de seus fulhos e, portanto, construindo dia a dia um país melhor? Ou estaria ele falando daquele que é capaz de destruir sua própria riqueza para alimentar ganância e satisfazer prazeres momentâneos? Ou ainda daquele que, por falta opção e de dignidade, se vê obrigado construir seu barraco nas milhares de invasões e encostas, comprometendo, ainda que sem quer, o nosso já comprometido meio ambiente, para tão somente abrigar sua família? De que Brasil estaria ele falando?

Quanto a nós, cabe trabalharmos dignamente e de forma diligente para fazermos frente ao grande desefio de semear a Boa Semente do Evangelho nesso fértil solo brasileiro. Só então em 2014 poderemos desejar que o mundo todo se torne um pouco mais parecido com o Brasil, porque os brasileiros estarão um pouco mais parecidos com Jesus, o autor da vida.

Pelos laços do Cordeiro,
Rev. Gessé Almeida Rios

Final da Copa

Depois de muitas surpresas finalmente a Copa do Mundo de Futebol realizada na África do Sul está chegando ao fim. De certa forma duas equipes que demosntraram mais consistência durante a competição acabaram ficando para a grande final neste domingo dia 11/07. Não foi o que esperávamos e nem o que gostaríamos de ver, mas temos que aceitar e aguadar até 2014 no Brasil na esperança de sermos mais competitivos e, quem sabe, ficarmos com o Hexa.
A meu ver a maior supresa não foi apenas o fato de vermos seleções de tradição indo para casa mais cedo, mas, também, o fraco desempenho dos árbitros que em muitas situações até mesmo comprometeram resultados.
Da nossa parte usamos como pudemos cada oportunidade para interagir com diferentes pessoas, inclusive alguns brasileiros, apresentando-lhes a mensagem de slavação na forma de folhetos, testemunhos, etc. Independente de quem sairá vencedor, se Espanha ou Holanda, o que nos alegra é que mais algumas pessoas tiveram a possibilidade de conhecer a Jesus como a única fote de vida, a nossa vitória. A ele e somente a ele sejam dados honra, glória e louvor para todo o sempre.