terça-feira, 20 de maio de 2008

E a violência continua...

A história de violência na África do Sul vem se tornando mais evidente ainda com os recentes ataques contra estrangeiros.

Para quem não sabe, o país vem sofrendo com um alto índice de desemprego. Dados não oficiais apontam para um índice superior a 40% de sua mão de obra ativa desempregada.

Muitos nativos atribuem isso ao grande número de estrangeiros vivendo no país, os quais, segundo eles, "roubam" suas oportunidades de emprego, suas mulheres, suas casas, etc.
Na verdade o que ocorre é que boa parte desses refugiados se submetem a qualquer exigência para obter um emprego, são diligentes no trabalho, muitos deles responsáveis e confiáveis.

Fazem qualquer coisa para segurar o trabalho que conseguem. Para eles é uma questão de sobrevivência. Além do geralmente são pessoas bem educadas e bastante qualificadas.
Malawiano sendo socorrido pela polícia da África do Sul depois
de sofrer queimaduras e pauladas provocadas
por manifestantes anti-imigrantes
É comum encontrarmos refugiados profissionais liberais congoleses (advogados, administradores, etc.) fazendo trabalho de vigias ou guarda-carros nos estacionamentos de shoppings e supermercados.

Muitos chegaram à África do Sul há anos. Aqui estudaram, contraíram família e se estabeleceram. Por isso os nacionais dizem que tomaram saus mulheres, trabalhos e oportunidades.

A situação é bastante grave na grande Johannesburg, província de Gauteng onde em apenas uma semana a violência já ceifou a vida de 24 pessoas. Nas demais províncias ainda é mais ou menos tranqüila, mas vive-se sob certo nível de tensão.

Nossa igreja aqui tem assumido uma postora pastante acolhedora em relação a estrangeiros refugiados. Sua membresia é hoje composta de pessoas oriundas de 12 países diferentes. Vemos isso como uma enorme riqueza em termos pois nos ajuda a aprender apreciar e respeitar o diferente.

Nossas línguas, nossos costumes, etc. naturalmente não são iguais, mas aprendemos a amar e valorizar a pessoa por traz de sua roupagem cultural.

Porém, se por um lado isso é algo maravilhoso por outro, é algo também preocupante. Temos receio que nossos irmãos repentinamente se tornem alvos dessa violência brutal.

Temos feito o que podemos e devemos fazer que é orar ao Pai pela segurança dos nossos irmãos e para que haja um fim para o presente quadro monstruoso que vivemos nesse país.

Deus tenha misericórdia da África do Sul!

2 comentários:

jairoevania disse...

Querida família Rios,

Temos acompanhando em sites de notícias a situação de ataques contra estrangeiros aí na África do Sul. Entretanto, a descrição de vocês aqui no Blog representa a notícia mais pessoal que já encontramos até agora sobre o assunto.

Entristecemo-nos muito pelo que tem acontecido nesta terra amada e nossas expectativas repousam sobre o fato de que o Pai tem aí pessoas como vocês que podem fazer a diferença em meio ao caos.

Que Ele continue abençoando vocês!

Dos amigos,

Jairo e Vânia

Rev. Gessé Almeida Rios disse...

Oi Jair...
Bem-vindo ao nosso espaço.
Obrigado por entender a situação e participar desse momento conosco.
Gde abs,
Gesse.